Archive for Comunicação Digital

Midias Sociais: Investir ou Ficar Fora?

Redes Sociais oque fazerMuito escuto dos meus cliente e alunos, questionamentos sobre estar ou não presente nas Mídias Sociais. Sobre esse assunto, gostaria de destacar 3 pontos importantes:

1 – Não deixe sua empresa vulnerável nas Mídias Sociais!
Não existe como ficar de fora! Nas mídias sociais ou você toma as rédeas do que seus clientes estão falando sobre seus produto e empresa ou perde a oportunidade de saber o que já esta sendo dito sobre seu negócio.

2 – Não se engane, as pessoas já estão falando sobre o seu negócio!
A escolha é sua, saiba o que as pessoas dizem e aproveite as oportunidades ou “tampe o sol com a peneira” pensando que seus cliente não falam de você pois você ainda não esta no facebook ou LinkedIn…

3 – Nas Mídias Sociais não basta fazer é preciso saber fazer!
Antes de começar, avalie seu mercado e concorrentes! Planeje o que você tem para oferecer e defina seus objetivos. Assim seus resultados serão mais efetivos!

Para complementar, segue um artigo bacana escrito pelo colega e amigo Guilherme Schneider e seu blog de tecnologia

Boa Reflexão!
@CarlaFalcao_

Redes Sociais – Investir nelas ou Não?

Uma grande dúvida das empresas é se e quando devem investir em redes sociais. Com as constantes mudanças e aumento do uso das redes, a empresa hoje que está de fora delas pode estar ficando muito atrás de seus concorrentes.

Porém, entrar em uma rede social sem um correto planejamento, também pode ser fatal para uma empresa. Recentemente acompanhei casos de empresas que criaram, por exemplo, perfis no Twitter, e o “esqueceram” lá e quando os consumidores tentavam interagir com a empresa através deste canal, ou não eram respondidas ou mal respondidas por algum funcionário despreparado. Fazendo uma analogia, seria o mesmo que esta empresa ativar um número de 0800, divulgá-lo e não colocar ninguém para atender do outro lado da linha, ou então “o primeiro que passar atende”.

Para ter efetividade utilizando as redes sociais, a empresa tem de ter muito claramente que tipo de interação irá querer ter com elas, como irá querer atingir seus consumidores (ou usuários) e quais canais (redes) irá utilizar para tal. Direcionar investimento proporcional a isso também é de suma importância. Ao entrar nas redes sociais, a empresa tem de ter total consciência que é um “caminho sem volta”, ou então novamente irá gerar ruído para a sua marca e reputação.

A realidade já mostra que o investimento em redes sociais traz um grande retorno para a empresa, para a sua marca e para o seu relacionamento com consumidores e público interno. Através dela é possível atingir um nível de relacionamento com seus consumidores como jamais anteriormente havia sido visto, com possibilidade de interação “online” com seus clientes e reagir a problemas na hora exata em que acontecem (lembre-se, que isso, para o bem e para o mal).

As redes podem ser utilizadas com diversos fins, como por exemplo demonstrações de novos produtos, testes com usuários e consumidores, canal de atendimento e relacionamento, divulgação de informações e tendências, “virais”, dentre outras aplicações. E cada uma das redes têm seu tipo de público e propósito, que deverá ser cuidadosamente estudado pela empresa antes de interagir com cada uma delas.

Uma nova tendência emergente, é a integração das redes sociais com ferramentas analíticas e preditivas, e também com os ERPs para que as mesmas sejam meios de melhorar as análises das empresas, geração de novas demandas de alterações de produtos, dentre outras idéias. A rede social deixa de ser somente uma via de mão única para também retroalimentar a empresa com feedbacks, opiniões e pedidos de melhorias de produtos e serviços.

Portanto, antes de se “aventurar” nas redes sociais, avalie corretamente como irá fazê-lo e busque contratar profissionais para auxiliar a sua empresa nesta atividade, sejam permanentes ou através de uma consultoria especializada.

Fonte:

http://gbcs.wordpress.com/2012/04/21/redes-sociais-investir-nelas-ou-nao/

Novas Turmas – Redes Sociais na Prática

Workshop – Redes Sociais na Prática

Esse treinamento tem como objetivo mostrar, por meio de exercícios práticos, como podemos usar as principais ferramentas das Redes Sociais em busca do objetivo do seu negócio.

Desenvolvido com base em exemplos reais de uso do Twitter, de Blogs e do facebook você aprenderá a planejar e executar ações de marketing nas redes sociais, atingindo melhores resultados. Confira o conteúdo programático.

Sobre Carla Falcão

- Consultora Especialista/Palestrante,
Publicitária, Especialista em Mídia Social, Blogueira, Integrante do painel criativo “Mentes Brilhantes” do Ibope Inteligência desde 2007. Com mais de 10 anos de experiência em Marketing Digital. Responsável pelo desenvolvimento do curso de Analista de Marketing em Midias Sociais pelo Senac – São Paulo. Criadora do Blog Amigas Na Cozinha

Saiba Mais:
http://br.linkedin.com/in/carlafalcaobueno

Próximas Turma:
Campinas: 15 e 16/Maio
São Paulo: 26 e 27/Junho

Investimento:
R$ 620,00

Horários das 08:30 hs às 12:30hs
Campinas: Rua Antonio Lapa, 280 – 6º andar – Cambuí
São Paulo: Rua Libero badaró, 371 – 14º andar – Cantro
Próximo ao Metrô São Bento (100 metros)

Local: 2Work

Inscrições e informações:
19-4062-9977 // 11-8101.3312

contato@arededigital.com.br

Campanha nas mídias sociais

Campanha do Beetle 2012 no Canadá toda feita com realidade aumentada

No Canadá, a campanha da Volkswagen para o lançamento do novo Beetle é toda feita com outdoors e mídia em pontos de ônibus.

Mas não tem nada de tradicional. Quem fizer download do app para iPhone/iPad e colocar na frente das mídias, é que vai ver a campanha acontecendo de verdade.

São três diferentes interações com realidade aumentada, dependendo do outdoor em que o seu gadget for apontado.

Fonte: http://www.brainstorm9.com.br/27260/advertising/campanha-do-beetle-2012-no-canada-toda-feita-com-realidade-aumentada/

Começa nesta segunda a Semana Global do Empreendedorismo

Evento vai discutir o incentivo à inovação e ferramentas de negócios em 120 países

Maíra Amorim

Publicado: 12/11/11 – 19h00
Atualizado: 13/11/11 – 10h35
Grupo de organizadores do Rio Startup Meetup, que acontece na quarta-feira

Grupo de organizadores do Rio Startup Meetup, que acontece na quarta-feira Guito Moreto / Agência O Globo

RIO – O Brasil é um dos países em que o empreendedorismo mais cresce. Mas também é o país em que o empreededorismo menos inova. Não só em comparação a outros continentes, como também em relação à América Latina. Melhorar a qualidade dos empreendimentos através da inovação é um desafio que será pauta da quarta edição da “Semana Global do Empreendedorismo”, que começa nesta segunda-feira com eventos em todo o país, sob o tema “Um Brasil com maiores e melhores empreendedores”. Este ano, 120 países ao redor do mundo aderiram à Semana, que nasceu na Inglaterra e, no ano passado, contou com a participação de 104 nações.

— O objetivo é levar educação empreendedora para capacitar e inspirar pessoas — diz Maria Juliana Giraldo, gerente de Cultura Empreendedora da Endeavor, organização líder da Semana Global.

Até domingo, haverá uma pro-gramação intensa de palestras, workshops, encontros, gincanas, cursos e debates, que devem atrair 3,5 milhões de brasileiros em todos os estados — só no Rio, estão agendados 295 eventos (a agenda completa está disponível no site). Nesta quarta edição, a Endeavor conta com mais de 600 parceiros, que são os responsáveis por organizar e promover os encontros.

— O Brasil é um dos países que mais consegue mobilizar pessoas em torno da Semana e esse engajamento vem crescendo a cada ano. Na última edição, em 2010, tinham sido 500 parceiros — lembra Juliana.

Apesar de a adesão ao evento ser alta, o Brasil ainda precisa evoluir muito no quesito empreendedorismo. A edição mais recente da pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor) mostra que o país está entre os últimos colocados nos rankings de inovação e educação empreendedora.

— Queremos chacoalhar as pessoas para que elas entendam que o jeito certo de empreender é com inovação, dando acesso também às ferramentas de que elas precisam para não quebrar — ressalta a gerente de Cultura da Endeavor, acrescentando que, apesar de o número de empreendedores estar aumentando no Brasil, ainda existem muitos chamados “empreendedores por necessidade”. — Eles não inovam e acabam não crescendo.

Na quinta-feira, a Firjan vai sediar o V Seminário de Empreendedorismo, cujo tema será “Rio Empreendedor”. Nesta edição, o evento contará com painel de negócios baseado no Business Model Generation, de Alexander Osterwalder, manual prático para quem quer aprimorar sua gestão.

— Contamos com parceiros que realmente entendem o objetivo da Semana e vão promover palestras de qualidade, além de mostrar cases que poderão fazer com que as pessoas fiquem com vontade de empreender — diz Maria Juliana.

Outra meta da Semana Global do Empreendedorismo é articular redes de contatos para facilitar a implementação de negócios. É o que vai acontecer no Startup Rio Meetup, a ser realizado na quarta-feira, no Café Del Mar, em Copacabana. O encontro — que já teve duas edições desde julho último — cresceu especialmente por conta do calendário da Semana.

— Teremos dois ambientes: um salão de networking, onde as pessoas podem circular e fazer contatos, e outro onde serão realizadas palestras e apresentações para o Desafio das Startups — explica Tiago Asevedo, fundador da empresa Tisix e um dos organizadores do Rio Meetup, que vai premiar o negócio com maior potencial durante o Desafio, no qual os empreendedores terão somente dois minutos para apresentar seus projetos.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/emprego/comeca-nesta-segunda-semana-global-do-empreendedorismo-3185437#ixzz1diT8TF6n
© 1996 – 2011. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Fonte: http://oglobo.globo.com/emprego/comeca-nesta-segunda-semana-global-do-empreendedorismo-3185437

Empresa que usar “robô” em pregão eletrônico poderá ser punida

04/11/2011 11:00
Brizza Cavalcante
Geraldo Resende

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 1592/11, do deputado Geraldo Resende (PMDB-MS), que proíbe o uso de “robôs” nos pregões eletrônicos promovidos pelo governo federal para compra de produtos e serviços. Segundo o texto, o fornecedor que for identificado utilizando robôs para fazer lances ficará impedido de contratar com a administração pública por dois anos.

Os “robôs eletrônicos” são programas de computador usados para fazer lances automáticos nos pregões eletrônicos. As propostas são feitas de forma constante, em fração de segundos, logo após um competidor dar um lance. Deste modo, o fornecedor que usa o robô consegue manter-se sempre com o menor preço e, portanto, à frente dos outros competidores.

“Quebra de igualdade”
O deputado Geraldo Resende destaca que o uso dos robôs não acarreta prejuízo para o setor público, mas traz outro problema: “Esse fenômeno recente não representa diretamente prejuízo aos interesses públicos, mas introduz uma quebra na igualdade entre os participantes, visto que nem todas as empresas têm acesso aos robôs, e mesmo que o tivessem, iria sempre prevalecer a empresa com tecnologia mais moderna”, disse o deputado.

O deputado afirma que o Ministério do Planejamento, que gerencia o pregão eletrônico do governo federal, está atento ao problema e procura neutralizar os fornecedores que usam os robôs, para evitar a vantagem de um dos concorrentes. Mas nada impede que os identificados participem de novos pregões, situação que o PL 1592 procura corrigir.

Tramitação
O projeto tramita de forma conclusiva nas comissões de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; Finanças e Tributação; e Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:

Reportagem- Janary Júnior
Edição- Mariana Monteiro
A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara de Notícias

A Origem das marcas!??!

Seria essa a origem de algumas marcas!?!?!?

Dia do Profissional de Propaganda

Hoje é dia do profissional da Propaganda, e me peguei lembrando como fui parar nesse mercado. Ao contrário do que muita gente comenta por ai vejam só como é complexo trabalhar com propaganda:

Quando fui decidir minha profissão, tive muitas idéias…
1- Aos 2 anos: Queria ter uma profissão diferente e que nenhuma mulher ainda estivesse a frente, queria ser piloto de fórmula 1.
2 – Aos 10 anos: Queria ser astronauta para trabalhar na Nasa.
3 – Aos 12 anos: Pensei em virar cientista para fazer grandes experiências!!
4 – Aos 14 anos: Pensei no direto, pois, queria andar vestida como uma executiva kkk…
5-  Aos 16 anos: Prestei vestibular para Ciência da Computação na UFGRS, pois eu queria muito trabalhar com computadores. Ainda bem que não fui aprovada!!    ; )
7 – Aos 17 anos: Estive na minha futura Casa PUCRS-FAMECOS pesquisando pessoalmente as matérias que faziam parte do curso de Publicidade e Propaganda e gostei!

Imagine estudar: Arte, Semiótica, Mídia, Sociologia, Psicologia, Marketing, Pesquisa de Mercado entre outros tantos assuntos! Nesse momento, tive certeza que seria esse o caminho. Para reforçar, fiz uma pesquisa de campos… fui de  curiosa, assistir a uma palestra sobre Jornalismo, durante o evento da Semana de Comunicação dos alunos, e confirmei minhas intenções!!
8 – Aos 18 anos, já estudando na Famecos, tive contato com a Internet pela primeira vez… ai.. já era..

Foi como unir todos os pontos!
- Virei atendimento por que gostava de fazer às vezes de executiva
- Precisei aprender sobre direito para apresentar contratos e fazer a parte comercial
- Me especializei no mercado de marketing digital e com isso aprendi sobre psicologia, , precisei desenvolver sites, utilizar softwares especiais, e até programar!
- Quando vim morar em São Paulo em 2004 foi a minha etapa Astronauta, pois literalmente precise mudar para outro planeta e adaptar a uma vida nova!
- Em 2007, entrei para o Painel Criativo do IBOPE Inteligência e posso dizer que a inovação foi verdadeiramente ativada em meu DNA, pois com todos esses conhecimentos puder começar a criar soluções diferentes sem me sentir um “Peixe fora dágua”.
- Em 2009, comecei a estudar as Rede Sociais como ferramenta de trabalho e a ver esse mercado com um carinho especial!
- Em 2010 finalmente criei A Rede Digital que une todos esses conhecimentos e experiências com as de nossos colaboradores, e assim vamos propagado idéias, compartilhando conhecimentos, e criando resultados a cada dia melhores para nossos clientes e projetos de vida!

Parabéns a todos que sentem um pouco disso tudo a cada dia, pois assim fazemos nossa vida se mais divertida!

Aproveitando:
Já pensou se as redes sociais tivessem surgido antigamente, quem sabe esses seriam os reclames dos propagandistas da época…
: )

Tenhamos todos um feliz dia!
Bjs – Carla Falcão

Dicas sobre colaboração e engajamento

E-mail Marketing: conheça algumas boas práticas de campanha

O principal objetivo do e-mail marketing é aumentar as taxas de tráfego e de conversão do e-commerce. Para ampliar as chances de sucesso numa campanha, é importante adotar algumas boas práticas em termos de planejamento, conteúdo, assunto, layout e análise de base de dados.

Conforme abordado aqui no Blog Soluciona, a segmentação é uma estratégia fundamental para gerar bons resultados. A empresa de e-commerce precisa partir do princípio que uma oferta pode não satisfazer a necessidade de todos os consumidores. Com a base segmentada, você poderá enviar campanhas mais relevantes e aumentar a taxa de abertura dos e-mails.

“Alguns segmentos do mercado ainda têm grande dificuldade de ver valor no tratamento de sua base de dados. É difícil que tenham a exata percepção do alto impacto que esta análise traduz nos resultados. Uma base bem segmentada e higienizada pode aumentar muito seus resultados”, explica Gustavo Pereira, Diretor de Negócios da Dinamize, empresa especializada em comunicação digital.

Uma dica importante é que as maiores taxas de abertura acontecem entre 8h e 10h da manhã. Os outros picos de leitura, porém bem menores, são das 12h às 14h e das 17h às 19h. O banco de dados deve ser uma lista Opt-In e não se deve comprar listas de emails, pois muitos usuários não autorizaram o recebimento de e-mails marketing. Sendo assim, a imagem da empresa pode ser prejudicada e seu objetivo, que é a venda e a fidelização dos clientes, não será atingido.

Quanto ao desenvolvimento do e-mail marketing, o ponto principal é o assunto/título. Deve-se evitar ultrapassar 50 caracteres e ser objetivo, claro e coerente com o conteúdo. É importante colocar informações relevantes que estimulem o clique, tanto no assunto quanto no corpo do texto, porém tendo cuidado de não utilizar termos conhecidos que caiam no filtro anti-SPAM como, por exemplo, “Clique aqui”, “Grátis”, “Promoção”, “Veja mais” ou “Confira”. Vale ressaltar que essas regras são mutáveis, pois os provedores têm regras próprias de filtro que não são divulgadas. Se for inevitável o uso de palavras pontuadas, recomenda-se utilizar imagens.

Imagens muito grandes devem ser fatiadas para que facilite o carregamento do e-mail. Com imagens mais leves e de fácil abertura, sua taxa de visualização poderá crescer. O tamanho recomendado das imagens é de 140kb. Também é indispensável o uso dos links de “Visualização Externa” e “Descadastro”.

O e-mail marketing ainda é o principal canal de vendas do e-commerce, mas essa ferramenta vai além de disparar diversos produtos e ofertas aos consumidores. Planejamento e boas práticas durante a campanha são importantes para alcançar resultados expressivos.

Fonte: http://dinamize.com/blog2011/2011/09/21/e-mail-marketing-conheca-algumas-boas-praticas-de-campanha/

Quatro em cada dez brasileiros usam mídias sociais

Entre eles, 27% costumam usá-las para pesquisar uma marca e 17% recomendam marcas

(foto: Reprodução/Site)

De acordo com pesquisa realizada pela GfK, 4ª maior empresa de pesquisa de mercado no Brasil e 4º maior grupo mundial do setor, 43% dos brasileiros costumam usar mídias sociais como Orkut, Facebook, Twitter e Youtube, entre outros. O levantamento mostra também que 53% das pessoas das classes AB utilizam mídias sociais, enquanto que nas classes CD os usuários não passam de 33%. O uso de mídias sociais está ainda diretamente relacionado à faixa etária: quanto mais jovem, maior a porcentagem de usuários.
“Embora o uso de mídias sociais tenha crescido no Brasil, o estudo constatou que a utilização ainda é restrita, sendo o número de usuários maior entre as pessoas com maior nível socioeconômico e entre os mais jovens (de 18 a 34 anos)”, comenta Cynthia Vieira, Diretora da Área de Business & Technology da GfK.
O estudo da GfK ouviu, em julho deste ano, 1.000 pessoas, a partir dos 18 anos, de nove regiões metropolitanas (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém) e de três capitais (Brasília, Goiânia e Manaus).
A pesquisa buscou ainda identificar o interesse e a interação das pessoas em relação a marcas nas mídias sociais. Entre os usuários das mídias, 27% costumam usá-las para pesquisar uma marca e 17% usam as ferramentas para recomendar uma marca. Já as críticas ou elogios têm a mesma quantidade de citações, com 4% cada.
O estudo revela que 52% dos entrevistados acreditam pelo menos algumas vezes nos comentários que veem ou leem sobre uma marca nas mídias sociais, sendo que quanto mais jovem o consumidor, maior o nível de confiança nos comentários nas redes.
A pesquisa abordou também o quanto os comentários negativos nas mídias sociais podem influenciar a opinião dos consumidores. Ao ler comentários negativos sobre uma determinada marca nas mídias sociais, 73% dos entrevistados não mudam de opinião, mas buscam saber se os comentários são verdadeiros.
Tempo de redes sociais —  De acordo com uma pesquisa feita pela empresa de análises de mercado Experian Hitwise, os brasileiros ficam, em média, 18 minutos e 19 segundos por sessão navegada no Facebook, que é relativamente pouco se comparado ao líder, Cingapura, onde  eles assam 38 minutos e 46 segundos por sessão na rede social, seguidos da Nova Zelândia, com 30 minutos; Austrália, com 26 minutos; Reino Unido, com 25; e EUA, com 20 minutos.
Mas o Brasil aparece em primeiro lugar em um outro ítem da pesquisa. De todos os acessos à internet aqui no Brasil, 18,9% são direcionados a redes sociais, seguido de Cingapura, com 16,4%, EUA, com 15,4% e Índia e Nova Zelândia, com 14% e 13,9% respectivamente. “Em alguns aspectos, as redes sociais não têm limites em fazer do mundo um lugar menor. Saber o market share que as redes sociais têm em cada país e o nível de uso é a chave para o sucesso de atuação nestes ambientes”, explica Ankur Shah, CEO e co-fundador da Techlightenment, empresa do grupo Experian.

CADA UM NO SEU LUGAR

Usuários
Refere-se às pessoas cadastradas em uma rede social. Uma conta, um usuário.

Pessoas com acesso
Termo usado pelo Ibope para se referir à quantidade de pessoas que têm a possibilidade de entrar na internet em casa ou no trabalho.

Usuários ativos
Termo do Ibope para pessoas que efetivamente acessaram a internet em certo período.

Usuários ou visitantes únicos
Pessoas que acessaram um domínio em um período de tempo. Não importa quantas vezes a mesma página foi aberta pela mesma pessoa, só conta uma vez. É uma medida de audiência.

Pageviews
Ou visualizações de páginas é o total de vezes que uma página ou um domínio foi acessado em um período de tempo. Se uma mesma pessoa entrar em um site cem vezes em um mês, serão contados cem acessos.

Pessoas com acesso
Termo usado pelo Ibope para se referir à quantidade de pessoas que têm a possibilidade de entrar na internet em casa ou no trabalho.

Fonte: http://www.bemparana.com.br/index.php?n=192152