Archive for Nas Redes Sociais

LinkedIn se fortalece com a compra do Slideshare

A mais nova aquisição do LinkedIn, popular rede social voltada aos relacionamentos profissional

Chamou atenção no mercado essa memana, pela bagatela de aproximadamente 119 milhões de dólares eles trouxeram para somar resultados o Slideshare, ferramenta para compartilhar apresentações na na internet. Ficamos na expectativa das novidades com a equipe do LinkedIn.

linked slideshare juntos Slideshare é comprado pelo LinkedIn por 119 milhões de dólares

O Slideshare é atualmente um dos 200 sites mais visitados do mundo, com algo entre 16-20 milhões de usuários.

Midias Sociais: Investir ou Ficar Fora?

Redes Sociais oque fazerMuito escuto dos meus cliente e alunos, questionamentos sobre estar ou não presente nas Mídias Sociais. Sobre esse assunto, gostaria de destacar 3 pontos importantes:

1 – Não deixe sua empresa vulnerável nas Mídias Sociais!
Não existe como ficar de fora! Nas mídias sociais ou você toma as rédeas do que seus clientes estão falando sobre seus produto e empresa ou perde a oportunidade de saber o que já esta sendo dito sobre seu negócio.

2 – Não se engane, as pessoas já estão falando sobre o seu negócio!
A escolha é sua, saiba o que as pessoas dizem e aproveite as oportunidades ou “tampe o sol com a peneira” pensando que seus cliente não falam de você pois você ainda não esta no facebook ou LinkedIn…

3 – Nas Mídias Sociais não basta fazer é preciso saber fazer!
Antes de começar, avalie seu mercado e concorrentes! Planeje o que você tem para oferecer e defina seus objetivos. Assim seus resultados serão mais efetivos!

Para complementar, segue um artigo bacana escrito pelo colega e amigo Guilherme Schneider e seu blog de tecnologia

Boa Reflexão!
@CarlaFalcao_

Redes Sociais – Investir nelas ou Não?

Uma grande dúvida das empresas é se e quando devem investir em redes sociais. Com as constantes mudanças e aumento do uso das redes, a empresa hoje que está de fora delas pode estar ficando muito atrás de seus concorrentes.

Porém, entrar em uma rede social sem um correto planejamento, também pode ser fatal para uma empresa. Recentemente acompanhei casos de empresas que criaram, por exemplo, perfis no Twitter, e o “esqueceram” lá e quando os consumidores tentavam interagir com a empresa através deste canal, ou não eram respondidas ou mal respondidas por algum funcionário despreparado. Fazendo uma analogia, seria o mesmo que esta empresa ativar um número de 0800, divulgá-lo e não colocar ninguém para atender do outro lado da linha, ou então “o primeiro que passar atende”.

Para ter efetividade utilizando as redes sociais, a empresa tem de ter muito claramente que tipo de interação irá querer ter com elas, como irá querer atingir seus consumidores (ou usuários) e quais canais (redes) irá utilizar para tal. Direcionar investimento proporcional a isso também é de suma importância. Ao entrar nas redes sociais, a empresa tem de ter total consciência que é um “caminho sem volta”, ou então novamente irá gerar ruído para a sua marca e reputação.

A realidade já mostra que o investimento em redes sociais traz um grande retorno para a empresa, para a sua marca e para o seu relacionamento com consumidores e público interno. Através dela é possível atingir um nível de relacionamento com seus consumidores como jamais anteriormente havia sido visto, com possibilidade de interação “online” com seus clientes e reagir a problemas na hora exata em que acontecem (lembre-se, que isso, para o bem e para o mal).

As redes podem ser utilizadas com diversos fins, como por exemplo demonstrações de novos produtos, testes com usuários e consumidores, canal de atendimento e relacionamento, divulgação de informações e tendências, “virais”, dentre outras aplicações. E cada uma das redes têm seu tipo de público e propósito, que deverá ser cuidadosamente estudado pela empresa antes de interagir com cada uma delas.

Uma nova tendência emergente, é a integração das redes sociais com ferramentas analíticas e preditivas, e também com os ERPs para que as mesmas sejam meios de melhorar as análises das empresas, geração de novas demandas de alterações de produtos, dentre outras idéias. A rede social deixa de ser somente uma via de mão única para também retroalimentar a empresa com feedbacks, opiniões e pedidos de melhorias de produtos e serviços.

Portanto, antes de se “aventurar” nas redes sociais, avalie corretamente como irá fazê-lo e busque contratar profissionais para auxiliar a sua empresa nesta atividade, sejam permanentes ou através de uma consultoria especializada.

Fonte:

http://gbcs.wordpress.com/2012/04/21/redes-sociais-investir-nelas-ou-nao/

Guaraná Antarctica lidera ranking de audiência nas redes sociais

Pesquisa mostra Peixe Urbano, BrandsClub e Privalia com grande volume de acessos, mas pouco share de engajamento por falta de diálogo com os consumidores

Nova embalagem do Guaraná Antarctica

Empresa desbancou a Claro e se tornou a nova líder em audiência nas redes sociais

São Paulo – O Guaraná Antarctica passou a Claro e é o novo líder em audiência nas redes sociais, segundo o relatório de novembro do Index Social. Pela primeira vez no ranking, a operadora deixou a liderança de audiência, caindo 134.6 pontos, e a Skol foi a marca que mais avançou em relação ao último mês, construindo mais de 800 pontos de audiência. A cerveja também ultrapassou a Claro, depois de estar na 30ª posição em outubro.

A lista é composta pela soma ponderada de fãs, seguidores e assinantes no Facebook, Twitter e Youtube, que já reúnem mais de 37 milhões de usuários ligados às marcas. A Gol é a única empresa que saiu do Top 10, em relação ao mês anterior. Após a terceira colocada, a Claro, aparecem Brahma Futebol, L’Oréal, Smirnoff Brasil, Peixe Urbano, Halls, BrandsClub e Privalia.

Já em relação ao engajamento, a Ambev aparece com três marcas entre as cinco primeiras: Brahma, Skol e Guaraná Antarctica. Pelo terceiro mês consecutivo, a Brahma se mantém no topo com o perfil ligado aos times de futebol carioca.

Com os resultados positivos, a marca expandiu para o estado de Minas Gerais e criou os perfis ligados aos clubes Atlético Mineiro e Cruzeiro. Completam o ranking as marcas Habib’s, Fiat Brasil, Skol, Guaraná Antarctica, Riachuelo, Duracell, Subway Brasil, Toblerone Brasil e Mentos.

Três marcas da listagem de audiência não estão presentes no share de engajamento de novembro. São elas o Peixe Urbano, BrandsClub e Privalia, que de acordo com o levantamento, focam na construção de uma base de audiência, mas não estabelecem diálogo com os consumidores. As marcas que não aparecem entre as 10 primeiras de audiência, mas figuram em share de engajamento, são Johnny Walker, Sonho de Valsa e Trident.

O share de engajamento é a média entre o total de ações do público com as de cada marca. O levantamento mostra um total de 3,9 milhões de interações este mês, apresentando uma ligeira queda em comparação a outubro.

Fonte: http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/guarana-antarctica-lidera-ranking-de-audiencia-nas-redes-sociais

SEMANA GLOBAL EMPREENDORISMOS

Pedido nas redes sociais é ordem

Redes sociais servem como termômetro para medir a satisfação dos clientes. Arte: André Mello - O Globo

RIO – O consumidor, que já tinha se apoderado das redes sociais para reclamar quando não era atendido pelos call centers, está agora entrando também na área de marketing. Pelas redes, pedem de volta produtos fora de linha e até interferem, com seus comentários e sugestões, em sistemas e processos internos.

Um exemplo recente é o da bala Halls sabor uva verde. Retirada do mercado no fim

do ano passado, ela voltou a ser produzida em agosto depois que a Kraft Foods Brasil resolveu atender aos insistentes pedidos de consumidores por meio das redes sociais.

Estar nas redes sociais é questão de vida ou morte

- Nunca tinha feito nada parecido. Mas adoro o sabor uva verde e, ao perceber que não conseguia mais encontrar o produto, pesquisei no Orkut e encontrei uma comunidade de fãs como eu. Resolvi escrever um protesto e deu certo – conta Diego Barrabas que apelou ao Facebook para ter seu desejo atendido e acabou sendo homenageado pela empresa, junto com outros três clientes.

LEIA MAISO poder das redes sociais na tomada de decisão

NÃO AGRADOU:Maioria dos que mais usam o Facebook reprova as novas funcionalidades da rede social

De acordo com Gustavo Fortes, sócio-diretor de Planejamento da agência Espalhe, responsável pela ação de marketing da Halls, as marcas que não participam de redes sociais estão se distanciando do seu público e podem ser esquecidas.

Eduardo Trevizani, gerente de marketing da categoria Balas da Kraft Foods, explica que a Halls tem um público muito jovem e, portanto, muito conectado e social:

- Entendemos que observar nosso público nas plataformas sociais nos faria conhecê-lo mais profundamente e atendê-lo melhor. A partir deste ano, a marca deixou de ter um website próprio para alimentar apenas as redes sociais. Em geral, os fãs curtem e comentam os temas que propomos. Há poucas reclamações e procuramos responder a todas.

Para Derek Kazee, estrategista global da Acxiom Brasil, estar nas redes sociais é uma questão de vida ou morte para as empresas, que precisam se atualizar e interagir com seus clientes:

- Veja o que o Google fez com as listas de páginas amarelas. Inovação e adaptação à mídia social será o principal desafio para as marcas na próxima década.

O chocolate Kit Kat, da Nestlé, também só chegou às prateleiras brasileiras este ano após inúmeras solicitações de pessoas que consumiam o chocolate até então vendido apenas no exterior. Segundo a empresa, o departamento de atendimento ao cliente, que recebe cerca de um milhão de solicitações por ano, passou também a monitorar manifestações dos consumidores nas mídias sociais. A Nestlé cita ainda outros casos recentes, como a volta do Nescau tradicional e do chocolate Sensação.

André Susskind, diretor-geral da Viva! Experiências, empresa com dois anos de mercado, explica que utiliza as redes sociais como ferramenta para entender o consumidor, corrigir problemas e perceber novos caminhos. A empresa vende caixas (Viva Bem Estar, Viva em Ação, Viva em movimento) para presente, onde o cliente acha vouchers para escolher entre 18 opções de experiências (exemplo, um banho de ofurô, na caixa Viva Bem Estar):

- Vendíamos só para alguns estados, mas passamos a receber pedidos de todo o país. Por causa disso, na próxima semana vamos lançar a caixa Viva Brasil. Outra mudança é que estávamos focados na classe A, mas fomos percebendo muitos pedidos das classes B e C. Então lançamos uma versão mais barata, que já está fazendo sucesso.

Vereador que disse levar vida de príncipe afirma que queria agradecer eleitores de Taubaté, SP

Vereador e príncipe: “Levo a política como um sacerdócio”

Rodson Lima, de Taubaté, jura que só quis agradecer ao povo ao contar sobre sua estada em hotel à beira-mar em Aracaju – paga com dinheiro público

Carolina Freitas
O vereador de Taubaté Rodson Lima: tudo pelo povoO vereador de Taubaté Rodson Lima: tudo pelo povo (Divulgação)

Pela primeira vez no Nordeste, o paulista de Taubaté Rodson Lima (PP), de 48 anos, não conteve a empolgação. “Hotel cinco estrelas, com uma big de uma piscina e de frente para o mar”, publicou no facebook. Nada demais não fosse ele um vereador no exercício do quarto mandato viajando a trabalho com despesas pagas pelo povo. Fato, aliás, que ele próprio destacou: “Tudo pago com o dinheiro público! O povo me dá vida de príncipe.”

A reação foi imediata e veio na forma de uma enxurrada de xingamentos. Os internautas condenaram o exibicionismo do político. “Em momento nenhum eu quis fazer escárnio”, tentou explicar o vereador em entrevista ao site de VEJA. “O problema é que cai na besteira de falar abertamente sobre algo que todos os políticos fazem. A própria presidente Dilma acaba de voltar da África e tudo foi pago com dinheiro público.”

Rodson jura sequer ter colocado os pés na “big piscina” do hotel. Ele foi a Aracaju para participar do Encontro da Associação Brasileira das Escolas do Legislativo e de Contas. Segundo o vereador, a Câmara de Taubaté tem boas experiências na área e ele foi até lá apresenta-las.

A viagem de quatro dias da comitiva de sete pessoas custará à Casa Legislativa cerca de 9 000 reais. A diária no Hotel Mercure, onde Rodson está hospedado, na Praia de Atalaia, uma das mais belas de Aracaju, não sai por menos de 158 reais. “Tenho assessor, celular, motorista, carro e escritório com ar condicionado. A política é um outro mundo, viu?”

Divulgação

Piscina do Hotel Mercure em AracajuPiscina do Hotel Mercure em Aracaju

Questionado se não acha exagero tanta regalia paga com dinheiro público enquanto falta educação e saúde para a população, Rodson filosofou: “Eu levo a política como um sacerdócio. Para pessoas como eu não é exagero ter toda essa estrutura.” O salário de um vereador em Taubaté é de 5 744,06 reais. O vereador diz ter como patrimônio nada mais que uma van, uma Zafira 2005 e uma moto. “Eu não sou rico. Moro no sítio do meu sogro. Gasto muito com advogado, sabe? Já chegue a desembolsar 25 000 reais em um só processo.”

Explique-se: Rodson foi condenado em dois processos por improbidade administrativa. Isso porque ele usou o carro da Câmara Municipal para levar pacientes de Taubaté para hospitais de São Paulo e comprou em parceria com sua secretária uma van para fazer o mesmo tipo de transporte. “Alguém precisa por a mão na massa e ajudar o povo”, justificou. Ele responde a quatorze processos na Justiça Eleitoral e está inelegível para a próxima eleição.

Mas isso não será problema: “Vou eleger meu filho”, aposta o vereador. “Daí compro um carro em 36 pagamentos e passo a prestar serviço para ele como motorista. Tudo direitinho.” E a repercussão das declarações de Rodson não atrapalhariam a campanha do filho? “Não. As pessoas mais simples vão me entender. Meus eleitores nem tem facebook. Cresci dormindo em esteira, tomando banho de balde e fazendo as necessidades no mato. Só posso agora me sentir um príncipe.”

Veja abaixo a íntegra da mensagem publicada por Rodson Lima no facebook:

Reprodução

Mensagem publicada na internet por RodsonMensagem publicada na internet por Rodson