Archive for Redes Sociais

Midias Sociais: Investir ou Ficar Fora?

Redes Sociais oque fazerMuito escuto dos meus cliente e alunos, questionamentos sobre estar ou não presente nas Mídias Sociais. Sobre esse assunto, gostaria de destacar 3 pontos importantes:

1 – Não deixe sua empresa vulnerável nas Mídias Sociais!
Não existe como ficar de fora! Nas mídias sociais ou você toma as rédeas do que seus clientes estão falando sobre seus produto e empresa ou perde a oportunidade de saber o que já esta sendo dito sobre seu negócio.

2 – Não se engane, as pessoas já estão falando sobre o seu negócio!
A escolha é sua, saiba o que as pessoas dizem e aproveite as oportunidades ou “tampe o sol com a peneira” pensando que seus cliente não falam de você pois você ainda não esta no facebook ou LinkedIn…

3 – Nas Mídias Sociais não basta fazer é preciso saber fazer!
Antes de começar, avalie seu mercado e concorrentes! Planeje o que você tem para oferecer e defina seus objetivos. Assim seus resultados serão mais efetivos!

Para complementar, segue um artigo bacana escrito pelo colega e amigo Guilherme Schneider e seu blog de tecnologia

Boa Reflexão!
@CarlaFalcao_

Redes Sociais – Investir nelas ou Não?

Uma grande dúvida das empresas é se e quando devem investir em redes sociais. Com as constantes mudanças e aumento do uso das redes, a empresa hoje que está de fora delas pode estar ficando muito atrás de seus concorrentes.

Porém, entrar em uma rede social sem um correto planejamento, também pode ser fatal para uma empresa. Recentemente acompanhei casos de empresas que criaram, por exemplo, perfis no Twitter, e o “esqueceram” lá e quando os consumidores tentavam interagir com a empresa através deste canal, ou não eram respondidas ou mal respondidas por algum funcionário despreparado. Fazendo uma analogia, seria o mesmo que esta empresa ativar um número de 0800, divulgá-lo e não colocar ninguém para atender do outro lado da linha, ou então “o primeiro que passar atende”.

Para ter efetividade utilizando as redes sociais, a empresa tem de ter muito claramente que tipo de interação irá querer ter com elas, como irá querer atingir seus consumidores (ou usuários) e quais canais (redes) irá utilizar para tal. Direcionar investimento proporcional a isso também é de suma importância. Ao entrar nas redes sociais, a empresa tem de ter total consciência que é um “caminho sem volta”, ou então novamente irá gerar ruído para a sua marca e reputação.

A realidade já mostra que o investimento em redes sociais traz um grande retorno para a empresa, para a sua marca e para o seu relacionamento com consumidores e público interno. Através dela é possível atingir um nível de relacionamento com seus consumidores como jamais anteriormente havia sido visto, com possibilidade de interação “online” com seus clientes e reagir a problemas na hora exata em que acontecem (lembre-se, que isso, para o bem e para o mal).

As redes podem ser utilizadas com diversos fins, como por exemplo demonstrações de novos produtos, testes com usuários e consumidores, canal de atendimento e relacionamento, divulgação de informações e tendências, “virais”, dentre outras aplicações. E cada uma das redes têm seu tipo de público e propósito, que deverá ser cuidadosamente estudado pela empresa antes de interagir com cada uma delas.

Uma nova tendência emergente, é a integração das redes sociais com ferramentas analíticas e preditivas, e também com os ERPs para que as mesmas sejam meios de melhorar as análises das empresas, geração de novas demandas de alterações de produtos, dentre outras idéias. A rede social deixa de ser somente uma via de mão única para também retroalimentar a empresa com feedbacks, opiniões e pedidos de melhorias de produtos e serviços.

Portanto, antes de se “aventurar” nas redes sociais, avalie corretamente como irá fazê-lo e busque contratar profissionais para auxiliar a sua empresa nesta atividade, sejam permanentes ou através de uma consultoria especializada.

Fonte:

http://gbcs.wordpress.com/2012/04/21/redes-sociais-investir-nelas-ou-nao/

Existe espaço para todas as empresas nas Redes Sociais

“Existe espaço para todas as empresas nas redes sociais”, diz especialista na Oficina Empresarial

Publicado em 24 de abril de 2012 por Carla3

Aproximadamente 60 pessoas participaram do evento Oficina Empresarial promovido pelo Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Educação Corporativa (IBDEC), que aconteceu nesta terça-feira, dia 24, na livraria Fnac do Parque Dom Pedro Shopping.  No encontro foi discutido qual é a importância das mídias sociais como ferramentas de comunicação e relacionamento para as empresas.

Por volta das 10h40 a palestrante, publicitária, especialista em redes sociais, e colunista da revista Exame, Carla Falcão Bueno abriu a palestra apresentando um vídeo que mostrava em números a força das redes sociais. Por exemplo, com mais de 900 milhões de participantes, se o Facebook fosse um país seria o terceiro maior, sendo superado apenas por China e Índia.

Em seguida várias redes sociais foram apresentadas e um pouco de suas funcionalidades e ferramentas foram abordadas. As redes sociais de nicho também fizeram parte do assunto.

Esse tipo de rede une pessoas com interesses muito específicos. A rede social Empreendemia, por exemplo, é utilizada para trocar cartões de visita. Já a Trip Advisor é uma rede para quem gosta de viajar e compartilhar experiências dessas viagens.

“Existe espaço para todas as empresas nas redes sociais. Para isso é necessário experimentar, criar conteúdo diferenciado e compartilhar experiências. A empresa deve pensar em como ajudar o consumidor”, ressalta Carla.

A palestrante disse ainda que é importante acompanhar o que os concorrentes colocam nas redes sociais para saber como reagir e, de certa forma, acompanhar as tendências do mercado.

Ao final, alguns participantes contaram suas experiências com as redes e quais as lições aprendidas. Também foi realizado um estudo de caso sobre uma empresa do ramo de imóveis de um dos participantes.

Fonte: http://www.ibdec.net/blog/2012/04/24/%E2%80%9Cexiste-espaco-para-todas-as-empresas-nas-redes-sociais%E2%80%9D-diz-especialista-na-oficina-empresarial/

Novas Turmas – Redes Sociais na Prática

Workshop – Redes Sociais na Prática

Esse treinamento tem como objetivo mostrar, por meio de exercícios práticos, como podemos usar as principais ferramentas das Redes Sociais em busca do objetivo do seu negócio.

Desenvolvido com base em exemplos reais de uso do Twitter, de Blogs e do facebook você aprenderá a planejar e executar ações de marketing nas redes sociais, atingindo melhores resultados. Confira o conteúdo programático.

Sobre Carla Falcão

- Consultora Especialista/Palestrante,
Publicitária, Especialista em Mídia Social, Blogueira, Integrante do painel criativo “Mentes Brilhantes” do Ibope Inteligência desde 2007. Com mais de 10 anos de experiência em Marketing Digital. Responsável pelo desenvolvimento do curso de Analista de Marketing em Midias Sociais pelo Senac – São Paulo. Criadora do Blog Amigas Na Cozinha

Saiba Mais:
http://br.linkedin.com/in/carlafalcaobueno

Próximas Turma:
Campinas: 15 e 16/Maio
São Paulo: 26 e 27/Junho

Investimento:
R$ 620,00

Horários das 08:30 hs às 12:30hs
Campinas: Rua Antonio Lapa, 280 – 6º andar – Cambuí
São Paulo: Rua Libero badaró, 371 – 14º andar – Cantro
Próximo ao Metrô São Bento (100 metros)

Local: 2Work

Inscrições e informações:
19-4062-9977 // 11-8101.3312

contato@arededigital.com.br

Mídias sociais não substituem Sites Corporativos

Com a ascensão das mídias sociais, muitas empresas estão deixando de atualizar e até mesmo de possuir sites corporativos. Essa tendência que despontou em 2011 ocorre pelo fato de que muitos acreditam que as redes sociais já suprem em grande parte suas necessidades na internet.

Entretanto, esse movimento pode ser bastante perigoso. Por mais que uma rede social ajude na divulgação de uma empresa e de seus serviços/produtos, elas ainda não comportam todas as necessidades de uma marca. Isso quer dizer que ainda se faz necessário às empresas ter um site corporativo que reflita fielmente a imagem que desejam transparecer.

No que diz respeito a divulgações e relacionamentos, as mídias sociais se mostram muito eficientes. Elas propiciam um forte eco que geralmente resulta em retorno financeiro rápido. Porém, elas não são suficientes.

O site corporativo ocupa o lugar de fachada da empresa na internet. É o lugar onde o cliente pode visualizar – com detalhes – o que a empresa é capaz de fazer, o que já fez e o mais importante, sentir ou não confiança no que ela transmite.

Em uma analogia simples, as mídias sociais são como um outdoor interativo e o site corporativo como uma sede da empresa na web – talvez daí venha o termo “endereço eletrônico”. Cada um tem suas especificidades e merece cuidados, mas sem esquecer que ambos fazem parte de uma mesma coisa.

Nesse aspecto, temos as mídias sociais – chamativas e criativas – trabalhando com o portal corporativo – que deve estar limpo, organizado e sempre atualizado. Em resumo, elas são como uma via de mão dupla enquanto o site é de mão única.

Sendo assim, o ideal é usar as duas ferramentas em conjunto, pois desta forma estará aproveitando amplamente as vantagens que a internet pode oferecer. O mais importante é respeitar e aproveitar o que cada um tem de melhor para ser usado sempre a seu favor.

Como usar o Tumblr em sua estratégia de marketing digital

Quando ouvi falar sobre a ferramenta de blog Tumblr pela primeira vez, eu nem sabia pronunciar seu nome corretamente. Precisei pedir ajuda aos meus seguidores no Twitter para descobrir que se fala “Tumbler”. Desde então percebi como esse novo ambiente vem ganhando popularidade entre os usuários mais ávidos da internet.

O Tumblr é um ambiente um pouco híbrido, que poderia estar localizado entre o Twitter e o blog. Nele você pode compartilhar qualquer conteúdo, como no blog, interagir e socializar esse conteúdo e de outros usuários de uma forma similar à do Twitter – você pode seguir contas específicas, “reblogar” e curtir seus posts favoritos.

Fundado em 2007, o Tumblr mostra números expressivos, que podem ser considerados fortes razões para uma empresa participar desse universo: atualmente são mais de 12 bilhões de posts e 34 milhões de blogs cadastrados.

No Brasil e no mundo, essa mídia tem sido usada mais para motivos pessoais e principalmente para o humor. “Boa parte do conteúdo produzido tem um teor mais leve e descontraído”, afirma Luiz Cazarre, diretor de planejamento e mídia da Enken Comunicação Digital. É uma ferramenta que também atrai muita gente jovem e por isso tende a trazer um ar mais moderno e despojado para as marcas que a utilizam.

O Citibank, por exemplo, tem uma conta de Tumblr para falar sobre desenvolvimento de carreira, já que valoriza seu programa de trainees, que por sua vez precisa atingir usuários jovens.

O Tumblr também já é usado para campanhas pontuais de empresas, como na Secrets Collection da rede O Boticário. Mas, para Cazarre, se uma empresa resolve entrar nesse universo, ela deve ter em mente uma estratégia mais duradoura. “Se você começa uma relação nesse canal, é melhor que ela continue. Os usuários vão achar estranho se você simplesmente abandoná-lo”, diz.

Outra parte importante de saber como usar o Tumblr é o seu conteúdo. Apesar de não haver limite de tamanho, posts dessa mídia fazem sucesso pela concisão. “Conteúdos mais sucintos são os mais populares”, afirma Bianca Furtado, coordenadora de social media marketing da Cadastra, empresa de marketing de performance. “É sempre bom fazer algo de impacto e sempre trabalhar imagens, gifs e vídeos curtos.”

Para aumentar a popularidade do seu Tumblr, é aconselhável que você siga outros usuários e reblogue e curta seus posts – não esqueça que você está em uma mídia social!

Sempre pense em formas inovadoras e divertidas de usar esse sistema de blog. Se você ainda quiser aumentar o nível de colaboração com seus consumidores, utilize o Tumblr para divulgar conteúdo produzido por eles mesmos. Não se esqueça de integrar essa mídia com as outras, como Twitter e Facebook, gerando uma sintonia maior entre elas.

Por último, fique de olho nos números de curtis e de “reblogues” para saber a aderência que cada post que você produz está tendo com os usuários.

E vocês, leitores, já usam o Tumblr? Conhecem empresas que o fazem? Comentem e compartilhem! =D

Fonte: http://colunas.pegn.globo.com/sonasocial/2011/11/14/como-usar-o-tumblr-em-sua-estrategia-de-marketing-digital/

O tema da redação do Enem 2011: redes sociais


As redes sociais e tudo que envolve o mundo moderno e a tecnologia foi o tema da redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) neste ano.

Os candidatos tiveram de enfocar as manifestações nas redes sociais no Brasil e suas consequências na política.

Com o enunciado “Viver em rede no século XXI: os limites entre o público e o privado”, os candidatos deveriam escrever sobre as redes sociais como Twitter e Facebook e como as pessoas se relacionam nesta plataforma.

Fonte: http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2011/10/23/881068/tema-da-redaco-do-enem-2011-mundo-moderno-e-tecnologia.html

Defina sua estratégia no Twitter.

É necessário escolher um modelo de interação com seus seguidores no Twitter para que você não seja um Tweetenstein! Não é bom ter um perfil que faça de tudo, isso mistura os seguidores e os assuntos, e pode virar uma bomba contra você. Ao invés disso, você pode ter mais de um perfil. Veja abaixo os principais modelos estratégicos para empresas.

Estratégia Siga Crie Engage
Relacionamento com o Cliente Seus clientes e potenciais clientes Conteúdo relevante para seus clientes: dicas, informações da empresa, etc Responda perguntas, responde aos comentários sobre sua marca
Gerenciamento de Crises Sua marca, produtos e assuntos relevantes Direcione para fontes de informações adicionais, informações atualizadas, explicação Responda perguntas, responda aos comentários, levante problemas, forneça informações
Gerenciamento da Reputação Corporativa Líderes de indústria, grupos de interesse similares, veículos de comunicação Insights, especialidade, torne-se um líder Entre na conversa. Seja transparente e agregue valor
Cobertura de Eventos Aqueles interessados ou palestrando no evento, imprensa Informação do evento, destaques, atualizações, bastidores Organize Tweetups (eventos via Twitter), fale com os palestrantes, pergunte e responda questões
Promoção e Vendas Atuais e potenciais clientes, aqueles interessados em produtos similares Link para promoções, informações privilegiadas de futuras vendas, cupons de desconto Verifique os replies e DMs, responda as perguntas, forneça informações quando necessário

Além desses modelos de interação, há um em particular que você deverá prestar mais atenção: Twitter como canal de atendimento ao cliente.

Veja abaixo os cinco principais passos para você usar o Twitter como canal de atendimento ao cliente.

1. Entenda porque o Twitter é uma boa plataforma para atendimento ao cliente
Ela é boa para resolução de problemas, melhorar a imagem da marca, envolver os funcionários numa estratégia on-line, além de reduzir de custos de Call Center.

2. Rastreie toda a conversação em torno da sua marca
Entendido as razões de se usar o Twitter, o próximo passo é rastrear em tempo real o que as pessoas estão dizendo sobre a sua marca, faça isso usando diversas palavras chaves associadas ao seu negócio.  Algumas ferramentas para ajudar: Monitter e Tweetbeep.

3. Faça com que sua presença no Twitter seja percebida pelos consumidores
Não seja somente passivo monitorando o Twitter. Um bom atendimento ao cliente é ativo. Incentive seus clientes a te seguirem no Twitter, coloque um botão no site, e faça propaganda para engajar os consumidores na resolução de um problema através das mídias sociais.

4. Responda rapidamente e de forma transparente
A chave do sucesso é a velocidade da resposta ao consumidor. Quando você achar alguém se queixando da sua empresa, rapidamente responda questionando-o se você pode ajudá-lo.

Não tenha uma postura arrogante. Caso o problema seja muito grave, passe uma forma de contato direto por chat ou Direct Message (DM), ou até mesmo um e-mail especial ou telefone direto.

@replies funcionam bem, pois mostra transparência para a comunidade. Outros podem ver o que está acontecendo, e vendo que você está disposto a resolver.

5. Esteja engajado nas conversas
Twitter é uma plataforma de micro interações, micro conversas, e as pessoas gostam de dialogar.  Portanto, mesmo que seja um canal de atendimento ao cliente, não perca o tom humano e retwitte alguns casos de sucesso.

Veja mais sobre as melhores técnicas que se aplicam ao Twitter em http://slidesha.re/fpXmpi

Fonte: http://www.pppadvogados.com.br/Publicacoes.aspx?v=1&nid=887

Consumidores usam internet para reclamar das empresas

Cada vez mais brasileiros usam a internet para brigar por seus direitos.

Todo mundo já passou por esta: você liga para reclamar de uma empresa e fica uma eternidade ouvindo musiquinhas. O analista financeiro Fabiano Santana esbarrou logo no tele atendimento do banco.

“Depois de muita demora, a atendente me informou que não teria como me auxiliar pelo telefone e me orientou que eu procurasse o meu gerente na agência”, conta.

Acha que resolveu? “Ele me disse que não conseguiria me ajudar ali na agência; que eu voltasse a ligar para o autoatendimento”, acrescenta Fabiano.

Ele ligou de novo. “De novo me orientou para que eu voltasse a procurar o meu gerente. Literalmente, me sinto uma bola de ping-pong,

Quando chegam a esta situação limite, cada vez mais brasileiros estão optando por uma solução ao mesmo tempo antiga e moderna: #bocanotrombone.

“Eu vou colocar a boca no trombone. Eu vou reclamar na rede social”, decide Fabiano.

A indignação do consumidor Osvaldo Borelli ecoou mais de um milhão de vezes mundo afora. Esse foi o número de exibições do vídeo desde que o foi postado na internet.

De clique em clique, a geladeira de Borelli virou um dos tópicos mais comentados no mundo pela rede de microblogs.

Para fazer o vídeo de indignação, Borelli colocou a geladeira quebrada dele no meio jardim da casa dele, em Santana do Parnaíba, um bairro exclusivo na Grande São Paulo. Ou seja, ele acabou se expondo diante do mundo todo e na frente de todos os vizinhos. O que faz a gente se perguntar: será que vale a pena todo esse desgaste? Tanta exposição?

“Foi através do vídeo que depois de cinco dias a empresa me ligou dizendo que queria entregar a geladeira. E entregou imediatamente. Para você consertar uma coisa que tem pagar mais que uma nova, tem alguma coisa errada nesse contexto. Eu acho que isso serviu como divisor de águas”, conclui o procurador.

“E-commerce, que são as lojas virtuais; comércio em geral; telefonia; bancos e construtoras agora”, lista Maurício Vargas, presidente do maior site de reclamações online do Brasil.

“Hoje, nós somos cinco milhões de consumidores cadastrados, e 30 mil empresas respondendo ao site”, revela Maurício.

Os números são altos. Mas será que funciona? “72% de todas as reclamações dentro do site de reclamações são resolvidas e respondidas em três dias”, afirma Mauricio.

Um reflexo da mudança de comportamento por parte das próprias empresas é o chamado Sac 2.0, o serviço de atendimento ao cliente de segunda geração.

“Essas marcas estão efetivamente, verdadeiramente dialogando com os consumidores e tentando resolver o problema deles”, aponta Alessandro Barbosa Lima, presidente da empresa de monitoramento online.

Tem empresa custando a se adaptar. Por isso, já surgiu serviços especializados em fazer este meio campo.
Em uma empresa, os atendentes é que procuram pelas reclamações na internet e puxam os consumidores para uma conversa, a fim de solucionar a queixa.

“As redes sociais têm uma memória muito forte. Informações publicadas em uma rede social em 2004 continuam sendo acessadas hoje para decisão de compra. Então, eu quero comprar um carro novo, eu vou a uma rede social e acho um comentário falando mal do carro lá atrás. Isso pode influenciar a compra hoje em 2011”, explica Alessandro. Claro, nenhuma empresa gosta de perder uma venda. “Quem ficar de fora vai perder uma grande oportunidade de ouvir seus clientes”, reforça Marcelo Salgado, gerente de mídias sociais.

O cargo de gerente de mídias sociais foi criado há menos de cinco anos por um grande banco. A instituição já percebeu que basta um cliente insatisfeito para fazer um estrago e tanto.

“Cada interação que a gente faz impacta a rede toda que está em volta. Deixa de ser um para um, como está no telefone, e um para N”, diz Marcelo Salgado.

Por falar em bancos, será que Fabiano conseguiu resolver o problema dele? “Não”, responde. “No dia seguinte o banco chegou a entrar em contato comigo. Já se passou uma semana e meu problema ainda não foi solucionado. Por conta disso eu estou pensando em mudar de banco”.

Mas, antes de sair por aí colocando vídeos na internet, como fez Borelli, é bom ouvir a voz da experiência:

“Primeiro, esgotem as vias que são colocadas à disposição, que são o sac e o Procon. Depois, se resolver partir para uma via mais extrema como essa, simplesmente relatem os fatos”, observa Osvaldo Borelli.

“As pessoas devem ter cuidado em medir as suas palavras, não adiantar fatos, para que não ocorra qualquer sanção de ordem civil e até quiçá de ordem penal”, alerta Carlos Moreira, promotor de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro.

Ou seja: “É como se diz no ditado popular: um erro não justifica o outro”, conclui o promotor.

“Toda empresa tem problemas, boa é a que consegue resolver”, aponta Maurício Vargas.

Acompanhe o Fantástico pelo Twitter e pelo Facebook

Fonte: http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1676083-15605,00-CONSUMIDORES+USAM+INTERNET+PARA+RECLAMAR+DAS+EMPRESAS.html

Redes sociais dvm faturar USD 5,5 bi com publicidade esse ano, 10 bi em 2013

11:15 Previsao da eMarketer indica que as redes sociais vao arrecadar USD 5,54 bilhoes com publicidade este ano, mais de USD 8 bi no ano que vem e quase USD 10 bilhoes em 2013 – 52% desses 10 bi devem vir de fora dos EUA. A maioria desse dinheiro vai para o Facebook e uma parte bem menor para o Twitter, que deve faturar USD 139 milhoes com publicidade este ano. Atualmente, 6,9% do investimento global em publicidade online vai para as mídias sociais. Em 2013, esse nº deve chegar a 9,4%.

Fonte: http://www.bluebus.com.br/show/1/106612/redes_sociais_dvm_faturar_usd_5_5_bi_com_publicidade_esse_ano_10_bi_em_2013

Quatro em cada dez brasileiros usam mídias sociais

Entre eles, 27% costumam usá-las para pesquisar uma marca e 17% recomendam marcas

(foto: Reprodução/Site)

De acordo com pesquisa realizada pela GfK, 4ª maior empresa de pesquisa de mercado no Brasil e 4º maior grupo mundial do setor, 43% dos brasileiros costumam usar mídias sociais como Orkut, Facebook, Twitter e Youtube, entre outros. O levantamento mostra também que 53% das pessoas das classes AB utilizam mídias sociais, enquanto que nas classes CD os usuários não passam de 33%. O uso de mídias sociais está ainda diretamente relacionado à faixa etária: quanto mais jovem, maior a porcentagem de usuários.
“Embora o uso de mídias sociais tenha crescido no Brasil, o estudo constatou que a utilização ainda é restrita, sendo o número de usuários maior entre as pessoas com maior nível socioeconômico e entre os mais jovens (de 18 a 34 anos)”, comenta Cynthia Vieira, Diretora da Área de Business & Technology da GfK.
O estudo da GfK ouviu, em julho deste ano, 1.000 pessoas, a partir dos 18 anos, de nove regiões metropolitanas (Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Fortaleza, Belém) e de três capitais (Brasília, Goiânia e Manaus).
A pesquisa buscou ainda identificar o interesse e a interação das pessoas em relação a marcas nas mídias sociais. Entre os usuários das mídias, 27% costumam usá-las para pesquisar uma marca e 17% usam as ferramentas para recomendar uma marca. Já as críticas ou elogios têm a mesma quantidade de citações, com 4% cada.
O estudo revela que 52% dos entrevistados acreditam pelo menos algumas vezes nos comentários que veem ou leem sobre uma marca nas mídias sociais, sendo que quanto mais jovem o consumidor, maior o nível de confiança nos comentários nas redes.
A pesquisa abordou também o quanto os comentários negativos nas mídias sociais podem influenciar a opinião dos consumidores. Ao ler comentários negativos sobre uma determinada marca nas mídias sociais, 73% dos entrevistados não mudam de opinião, mas buscam saber se os comentários são verdadeiros.
Tempo de redes sociais —  De acordo com uma pesquisa feita pela empresa de análises de mercado Experian Hitwise, os brasileiros ficam, em média, 18 minutos e 19 segundos por sessão navegada no Facebook, que é relativamente pouco se comparado ao líder, Cingapura, onde  eles assam 38 minutos e 46 segundos por sessão na rede social, seguidos da Nova Zelândia, com 30 minutos; Austrália, com 26 minutos; Reino Unido, com 25; e EUA, com 20 minutos.
Mas o Brasil aparece em primeiro lugar em um outro ítem da pesquisa. De todos os acessos à internet aqui no Brasil, 18,9% são direcionados a redes sociais, seguido de Cingapura, com 16,4%, EUA, com 15,4% e Índia e Nova Zelândia, com 14% e 13,9% respectivamente. “Em alguns aspectos, as redes sociais não têm limites em fazer do mundo um lugar menor. Saber o market share que as redes sociais têm em cada país e o nível de uso é a chave para o sucesso de atuação nestes ambientes”, explica Ankur Shah, CEO e co-fundador da Techlightenment, empresa do grupo Experian.

CADA UM NO SEU LUGAR

Usuários
Refere-se às pessoas cadastradas em uma rede social. Uma conta, um usuário.

Pessoas com acesso
Termo usado pelo Ibope para se referir à quantidade de pessoas que têm a possibilidade de entrar na internet em casa ou no trabalho.

Usuários ativos
Termo do Ibope para pessoas que efetivamente acessaram a internet em certo período.

Usuários ou visitantes únicos
Pessoas que acessaram um domínio em um período de tempo. Não importa quantas vezes a mesma página foi aberta pela mesma pessoa, só conta uma vez. É uma medida de audiência.

Pageviews
Ou visualizações de páginas é o total de vezes que uma página ou um domínio foi acessado em um período de tempo. Se uma mesma pessoa entrar em um site cem vezes em um mês, serão contados cem acessos.

Pessoas com acesso
Termo usado pelo Ibope para se referir à quantidade de pessoas que têm a possibilidade de entrar na internet em casa ou no trabalho.

Fonte: http://www.bemparana.com.br/index.php?n=192152